Preciso de café

IMG_5898O DESPERTADOR tocou no momento em que entrava no sono profundo. Não valia a pena lamentar-se da sua frustração. Tinha de se recompor o mais rapidamente possível, para estar na reunião da manhã, mais uma da maratona que retomaria o seu ritmo diário, dentro de em breve. O prazo de entrega do projecto exigia sacrifício e estava a terminar.

Não havia nada mais importante naquele momento. Nem os croissants que a mulher lhe comprara, e que dizia estarem comme il fault. Precisava de um café. Com açúcar, sem ele, com leite, desleitado, precisava dele que nem um louco. Nesse dia, a empregada  Lorraine pediu folga para tratar dos assuntos junto do seu consulado. E lembrara-se que adiara mais uma vez a compra de uma nova máquina.

Saiu para a rua e rapidamente estranhou. A vida em correria de casa para a empresa e vice-versa, não o permitiam ajuizar sobre como tudo mudou. Ele, que conhecia o seu velho bairro, deu-se por confuso, quando se apercebeu que a modernidade chegou e varreu tudo o que era o normal ver-se. Nas redondezas até fecharam os dois estabelecimentos de comida, depois de terem servido o bairro durante tantas décadas. Pareceu-lhe incrível que em Macau já não se encontra um local onde se pudesse beber um simples café!

Felizmente, o seu desespero foi efémero. Ao cabo de cinco minutos de deambulação deu-se  com o FerreiraEspresso, o novo estabelecimento sofisticado e elegante de café, que tanto se falou na rádio e na televisão, publicitado nos táxis e autocarros, como o pináculo da cultura do café, apostado em revolucionar a comum visão que se tem do néctar negro. Não queria saber por que carga de água aparecia um nome português numa coisa que nada tinha de lusitano, num recinto onde só se viam fotos de Veneza, Rio de Janeiro e Xangai. Precisava era de café.

O Espresso acolheu-o como ninguém alguma vez o tivesse feito. Todo ele em tons basálticos, com paredes e colunas forrados com chapas de granito preto, que mais lembrava a uma solução mesclada de Zara e Massimo Dutti. Tudo polido, desde o chão até o tampo do balcão de atendimento.

As funcionárias, com maquilhagem sóbria e penteado executivo, trajavam-se a preto, num uniforme justo ao seu físico delgado, ao estilo de aeromoça, de saltos altos glossy black, com nomes impressos em crachás prateados no seu peito esquerdo. Antes que ele pudesse balbuciar algo inteligível, já elas lhe faziam sincronizadamente a vénia à japonesa. Era manifesto o treino profissional a que todas se submeteram. Tendo todas a mesma altura, compleição física e tom de alvura na pele, foram certamente escolhidas a dedo.

“Eu preciso…”

IMG_5897

“Pois com certeza, sente-se aqui. Meu nome é Shya”. A sua voz era tão suave e terna que apaziguaria qualquer alma arrancada de um sono turbulento.  “Temos novos sabores que a minha colega lhe apresentará. Mas antes disso, vamos preparar o seu pré-pagamento? São 175 patacas. Não se preocupe que aceitamos cartões mesmo nesse valor”.

Estupefacto, mas sem conseguir travar a sua acção de desembolsar o valor que lhe era pedido. Na verdade, pagaria até cinco vezes mais.

“Mas eu preciso…”

“Sabemos”, adiantou Shya, esboçando um sorriso sabedor. “Mas, fazemos questão em lhe apresentarmos os novos sabores que FerreiraEspresso encomendou do Japão”.

Fez uma pausa quando deparou com a sua perplexidade. Mas voltou a sorrir. “Tal como o vinho pode saber a couro, madeira e banana, o café também tem as suas nuances e momentos. Essa é a nossa última colecção de meia-estação. Com certeza, quer prová-los, certo?”

Ela falou-lhe com tanta convicção que o abalou. Assentiu só para que não lhe dissesse mais nada. As pálpebras começaram a pesar toneladas, os papos pronunciavam-se sem pejo. Precisava urgentemente de…

“Cereja, baunilha e caramelo estão em promoção. Amanhã chegarão framboesa, ananás e chocolate. Ontem um casal comprou três caixas com sabor a morango, que estão uma delicia”, continuou a fresquíssima Shya. “Está a ver aquela fila que se está a formar? O público está a aderir ao nosso trend.

Suspiro de impaciência.

“Se a sua opção for de baunilha, sugiro ainda juntar um pau de canela. Temos uma edição golden a 120 patacas da melhor canela de Veneza. Todavia, se escolher caramelo, temos biscoitos, que são uma mistura de churro e pastéis de Koi Kei. São uma confecção signature do nosso patrão…”

E não continuou mais quando viu a palma de uma mão diante dos seus olhos.

“Eu precisava era um que soubesse a … CAFÉ”.

20150818-coffee-beans-shutterstock_71813833Silêncio.

As funcionárias entreolharam-se e uma delas ligou o intercomunicador. Não tardou que pairasse no ar a fragrância de alfazema, rosa seca e couro, anunciando a chegada do  supervisor. Impecavelmente trajado também a preto, com gravata luzidia. Cabelo preto, com têmporas rapadas, ostentava um brinco no seu lóbulo esquerdo. Nos seus cerca de trinta anos, Ramón Legazpi, nome que ostentava no seu crachá, era alto, musculado e moreno. Bigode fino e pêra aprumada. Ágil no seu andar, flutuava que nem uma diva angélica. E sorriu-lhe no modo mais caloroso como nenhuma mulher o tinha feito.

“Estou a ver que tem um problema. Mas, não se apoquente, que não existe nada que FerreiraEspresso não resolva”. O sorriso era agora mais intenso e intimista. “Café… temos sim senhor!”

“Até que enfim!” bradava o seu íntimo, sem se importar com as pausas de suspense que ele lhe criava.

“Arábico, guatemalteco, colombiano? Ristretto, Doppio, Lungo, ou então Macchiato, Corretto ? Já sei, talvez um Cortado? Ou, melhor ainda, temos um gelado de Rum-Raisin a condizer com um Affogato. E não custará mais que 95 patacas.

“Olhe… por favor dê-me apenas as borras, que eu trato do meu café!?

“Hmmm… vai ter que esperar, porque teremos que embalar isso. Ai, como você irá adorar o nosso package. Está tão devine! Serão tão-só 25 patacas, com direito a chocolate.

O sangue subia-lhe à cabeça, enquanto a adrenalina superava o seu estado deplorável de uma noite não dormida.

“Pronto! Não quero mais nada. Desisto. Preciso é de água! Apenas ÁGUA!

Silêncio.

Ramón assentiu suavemente e fez sinal às pupilas que tudo estava sob controle. Aproximou-se e olhou para os lados para se certificar se alguém os escutava. E sussurrou.

“Vamos ser discretos, pois sabe que a nossa empresa só vende café. Mas serviço personalizado é mote aqui em FerreiraEspresso. Assim, é só a si que faremos isto, porque você é honesto”. Sem deixar de o mirar, mostrou-lhe a sua tablet.

“Vêm de França e Itália, com ou sem gás, de classes A, B, C e D de alcalinidade e de composição mineral. Este é o melhor catálogo de águas que temos, a 60 patacas cada só para si.”

Macau, 16 de Fevereiro de 2018. Sexta Feira.

©Miguel S. Fernandes

3 thoughts on “Preciso de café

  1. Conheces a anedota do tipo que foi comprar um selo numa daquelas mercearias vende tudo em Portugal? Tipo de envelope, por favor. Sei lá, quero um selo! Carta de amor ou negócios? Um selo, quero um selo!!! Quadrado ou rectangular? Um SELO carago, quero um selo!!! Entretanto entra em passo apressado um tipo com uma retrete debaixo do braço e um azulejo na outra mão. Deixo-os em cima do balcão e desesperado diz – tem aqui a sanitário, o azulejo, o c* já lho mostrei ontem duas vezes, agora dê-me a porra do rolo de papel higiénico, caramba!! Aquele abraço

    Liked by 1 person

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s